7.10.15

Entre Aspas: Tá viajando é porque é rica?


"Irmã se liga na bobagem que você acabou de falar. Não precisa ser rica pra viajar. 

Eu te juro, olha só: escrevo esse texto no aeroporto, feliz que vou pra mais uma cidade que amo, enquanto isso minhas amigas devem estar na Marginal Pinheiros, duas horas no carro, chegando em casa onze da noite, passando o sábado no cinema do shopping, contando os dias pro feriado. O que isso tem a ver? A maioria delas tem MUITO mais dinheiro do que eu tenho, algumas são realmente ricas, cabelo sedoso, bolsa de marca, tem casamentos pra ir em Trancoso (e eu não sou rica, só fui juntando dinheiro enquanto trabalhava, meu cabelo tá podrinho, minha bolsa comprei no México, nunca pisei em Trancoso).

Deixa eu explicar melhor, não tô falando de tirar férias, todo mundo tem as suas, ou deveria ter (se você trabalha sem direito a férias é melhor rever seu trabalho e seus direitos). Nas férias você pega seu dinheirinho e vai pra praia, NY em parcelas, pro sítio, fica em casa atualizando os seriados que ama.
Tô falando de viajar, viajar é diferente.

Quando você decide “eu quero VIAJAR, quero ir pra tal lugar, quero ficar um tempo em tal outro lugar, ver tal coisa, fazer tal outra coisa”, você arruma sua grana. Trabalha mais, economiza, para de tingir o cabelo no salão e compra a caixinha de tinta pra fazer em casa, nunca mais compra um maxicolar de 300 reais, dá seu jeito.

E na boa, nao tô falando “ai como é fácil economizar dinheiro e juntar e viajar, lymdas!”, demora muuuuito tempo pra isso, decidir fazer uma viagem longa é um plano de mais de ano, o meu começou em 2012.

Quando você decide viajar e não tirar férias rapidinho, você aprende a ficar em hostel baratinho nem tão confortável como sua cama, não janta nunca mais em it restaurante das cidades que visita, não compra um monte de roupa na H&M (passa a achar 10 euros absurdamente caro e tem pavor de mala pesada). Rua que tem Chanel e Miu Miu, você nunca mais sabe onde fica.

E na hora que descobre que o dinheiro que juntou pode render dias, meses em lugares maravilhosos que te fazem feliz, você faz ele render mais ainda, vive com muito menos, jamais lembra de querer a maquiagem da temporada, nem passa pela sua cabeça olhar o duty free do aeroporto.

Viajar tem muito mais a ver com coragem do que com dinheiro. Entenda isso.

Tenho menos dinheiro que minhas amigas, mas saí de um emprego até que legal, disse não pra outros trabalhos que pareciam legaizinhos, porque já tinha algo na minha agenda, tinha decidido viajar, dar um tempo, ver minha vida de longe e pensar nela um pouco (Retorno de Saturno bombando). Se tivesse ficado em casa, continuaria trabalhando, ganharia mais dinheiro, talvez aí estivesse quase rica, mas nunca ia saber como era largar tudo e viver com o que eu tinha por um tempo, dá pra entender?

Claro que dá medo, muito medo, medo o tempo todo! De voltar e nunca mais arrumar um trabalho, de gastar todo o dinheiro que juntou e nunca mais conseguir comprar uma passagem pra um lugar desconhecido legal ou pagar um aluguel, de perder alguma coisa muito interessante que vai acontecer perto de casa enquanto você estiver fora.

Mas sinceramente, acho que no fim tudo dá certo, a vida simplesmente continua, nunca ouvi falar de ninguém que arruinou sua vida porque deu um tempo pra sair por aí viajando.

Na verdade sempre é o contrário, você volta sabendo mais, conhecendo mais gente, falando outras línguas com fluência, ganha todo tipo de cultura, desde trash até política sobre cada lugar que passa.

Mas na boa, sentir medo? É melhor sentir esse medão e frio na barriga de vez em quando de ” meudeus, e quando eu voltar, hein?”, do que ficar apavorada em casa vendo TV e imaginando como gostaria de largar tudo e fazer a louca pelo mundão, mas não tem coragem de sair do emprego, namoro, cidade, vida mais ou menos que tá te entediando.

Viajar, que não é férias, é cair nesse mundo e ver “qualé mermão”, é um negócio que jamais teria a ver com ser it rica, é um tempo pra viver a vida, aproveitar ao máximo, aprender um monte de coisa e depois ver o que faz, se volta do mesmo ponto, se recomeça, se não volta nunca mais e vende pulseirinha na Guatemala feliz pra sempre, é tipo ver aquelas mensagens de autoajuda do pinterest e pela primeira vez não se sentir mal porque não tá vivendo hoje.

E repare bem, essa é a verdadeira riqueza, e juro, ela custa muito mais barato do que você imagina."

O texto é de autoria da Jana Rosa e a publicação original você encontra no blog Jana Rosa.

Beijo!

0 comentários:

Postar um comentário

 
ana lu fernandes - 2016 // voltar para o topo // design + código gbml