20.1.16

E se?

Sempre fui do "e se...". 

E se no final der errado? E se quando eu for pular o paraquedas não abrir? E se for perigoso? E se doer? E se eu não gostar? 

Até o dia que me dei conta que as coisas acontecem por algum motivo. Chame de Deus ou destino, acredite no que você quiser, mas elas têm um propósito que muitas vezes entendemos só depois ou morremos sem entender. Eu prefiro assim, acreditar que o que aconteceu era o melhor que a vida tinha para mim naquele momento.

Decidi enfrentar os meus medos desse jeito: tenho uma ideia, sem pensar faço tudo o que é preciso para colocá-la em prática e quando me dou conta já estou fazendo. Sabe o que é? Pensar demais faz a gente desistir.

Final de semana passado fui ao parque aquático e não deixei de ir em nenhum brinquedo sequer, ontem decidi que vou voar de asa delta, em outubro fiz minha primeira tatuagem, no mesmo mês me libertei do medo e realizei o maior sonho da minha vida. 

Sim, sonhadora do jeito que sou, além da esperança a coragem é algo fundamental na minha vida. Preciso dela todos os dias, seja para ir em um brinquedo radical, largar um emprego onde o salário é alto e mudar para um lugar onde ganho menos mas faço o que gosto e sou feliz, ou simplesmente ter coragem para abrir os olhos, levantar da cama e viver mais um dia.


0 comentários:

Postar um comentário

 
ana lu fernandes - 2016 // voltar para o topo // design + código gbml