25.11.16

Entre Aspas: Os blogs não vão a lugar algum

"Outro dia, rolou uma forte movimentação na internet envolvendo blogs, blogueiras, redes sociais e muita reflexão. Logo, veio uma conversa… para onde os blogs iriam? O que seria dos blogueiros? Qual é o novo point?

Os blogs não vão a lugar algum.

Foto: Pinterest

Enquanto houver a internet, haverá blogs ou xmlogs ou nozyz4logsnwh²yu ou qualquer nome pra essa ferramenta digital de informação na primeira pessoa e altamente integrada entre milhares de outras. Curiosidade: Eu digo para parte da minha família que não sabe o que eu faço da vida, que eu tenho uma revista digital, dá no mesmo, não importa o nome, mas sim a finalidade.

Enquanto você, leitor, precisar de uma dica de batom roxo cremoso, de uma sugestão de restaurante na Conchinchina, de uma ideia do que vestir no próximo encontro ou basicamente saber o que está acontecendo segundo a visão de alguém com quem você se identifica, haverá blogs. Se numa bela tarde de primavera, você estiver de bobeira querendo consumir a última informação bombástica das Kardashians, haverá blogs, aliás, elas lançaram um appblogs 2 meses atrás.

Teremos informações, seja via texto, vídeo ou qualquer versão cibernética que algum gênio do Silício inventar. Lembra quando a gente sabia das modas – ou notícias em geral, claro – através das revistas mensais? Pois bem, hoje temos tudo de forma rápida, num domínio próprio e isso é muito importante, próprio.

Enquanto existir Google, haverá blogs. Você irá nos achar, fique tranquilo.

Diferente do Instagram e Facebook, regidos pelo implacável Mark Zuckenberg (que no início do mês mostrou pra todo mundo seu poder, tirando o engajamento geral), o domínio da world wide web é seu (ou meu ou nosso). É uma ferramenta livre, independente e simples. Você lê aquilo com que você se identifica, você vê quem você gosta.

Aqui, não tem artimanhas de sdv, do fantástico mundo – surreal – das compras de followers a luz do dia. Em tempos de seguidores anônimos e questionáveis, leitores reais valem por mil, acho que é isso que chamam de influência digital, o resto é só título pra causar impacto (bom, pelo menos tira o peso da famigerada palavra blogueira, menos mal).

Blog é simples, blog é real, foi o start do frenesi da vida digital compartilhada e parece ser os finalmentes pra quando nada lá fora der certo, ou oscilar, como oscilou nesse mês.

Fique tranquilo, os blogs não vão a lugar nenhum, os fortes, persistentes, insistentes (sobre)viverão. Quem tiver conteúdo, cuidado e dedicação será lido, quem tiver 3 minutos por dia pra ler, encontrará seu lugar e lerá."

O texto é de autoria da Thereza Christina Chammas e a publicação original você encontra no blog Fashionismo.

Beijo!

0 comentários:

Postar um comentário

 
ana lu fernandes - 2016 // voltar para o topo // design + código gbml