4.5.17

Eu tô falhando?!

Oi, gente!

Faz um tempinho que não tenho postado por aqui e não vou usar desculpas. O verdadeiro motivo é o tempo. Vocês podem até notar que as desculpas das atividades pela metade ou projetos não feitos vem da falta de tempo ou criatividade, mas é verdade. Nesse semestre a faculdade me puxou pra um buraco mais embaixo: o TCC. E não, ele não é um bicho de sete cabeças prontíssimo pra sugar sua alma. Mas a gente vive um momento de tudo estar sempre nos sugando.

Tenho lido sobre tempos líquidos, relações superficiais, egoísmo, empoderamento, "isso é mimimi", política, cultura das mídias, mundo digital, não aceitação, superficialidade, empatia. Vivemos numa época de frustrações, falta de tempo, muita coisa pra fazer, cobranças de todos os lados e, pior, a cobrança que fazemos em nós mesmos. A gente tem se exigido demais, esperado demais, pensado demais, usado energia demais. Tudo em excesso. E o excesso, quase sempre, faz mal.

Essa semana eu magoei um amigo. Chorei por todo e qualquer motivo. Fiz entrevista pro TCC mas não escrevi nada. Precisei ler cinco textos pra prova mas até agora só consegui dois. Não dei conta de tarefas no trabalho, esqueci de compromissos, me frustrei por coisas em que a solução não está ao meu alcance. Parece que, todos os dias, algum ser imaginário nos deposita cargas de responsabilidades nas costas e a gente cada vez se arrasta mais. 

E então, parei e pensei: estou fazendo alguma coisa de errado? Eu tô falhando?

Não! Não, não, não, não, não. Quantos não são precisos em uma frase pra entendermos que a gente nunca vai dar conta de de tudo? Não, não. A gente precisa parar e entender que não dá pra ter sucesso em tudo e que, em algum momento, vamos ter algo indo muito bem enquanto que outro algo pode estar completamente errado. E isso é normal.

Eu sempre tive minhas dificuldades em exatas na escola, mas sempre fui bem. Eu posso não estudar pra prova e às vezes até nem ir pra aula, mas acho que nunca fiquei pendurada por nota ou por falta. Sempre fui comprometida com as responsabilidades da escola. Passei em dois vestibulares. Levo meu trabalho a sério e tô sempre com o pézinho em vista em alguma coisa porque sei que sou boa no que sei fazer.

Por outro lado... Existe o outro lado. Existem as relações pessoais, o amor, as amizades, lidar com o ser humano de maneira geral. A gente nunca vai conseguir uma vida social aceitável, dormir bem, boas notas, sucesso no trabalho, mente 0% frustrada. E aí, a gente sempre acaba encontrando uma ou outra pessoa que acha que por uma coisa, a gente tem a vida perfeita. "Nossa, mas você tem isso, e isso, e mais aquilo outro". A gente é julgado por pessoas que a gente não conhece sobre coisas que a gente não é, mas pensam que somos.

A questão é que, não, a gente não tá falhando. A gente não precisa ser perfeito. A gente não precisa sempre tirar 10, sempre entregar os jobs com antecedência e ir em todas as festas dos grupos de amigos. A gente não precisa sempre estar ligado em todas as notícias que circulam no mundo. É importante, sempre, lembrar que a gente também tem o nosso mundo, e a gente tem que cuidar dele, como dá, como nos faz feliz, tentando desligar ao máximo os nosso fios interiores do mundo externo.

A gente não tá falhando não. Mas a gente precisa sempre lembrar de não pirar. A gente é maior que tudo isso e vai dar conta. Eu acredito e espero que todo mundo acredite.

0 comentários:

Postar um comentário

 
ana lu fernandes - 2016 // voltar para o topo // design + código gbml