8.5.17

Para maratonar: Girl Boss, Lady Night e 13 Reasons Why

Oi gente! Como estão as coisas por aí?

Hoje é dia de indicação por aqui!

Vocês também sentem cada vez menos vontade de ir para festas e preferem ficar em casa comendo comidinhas gostosas e vendo séries legais? Não sei se pela idade (até parece que sou velha! haha), pelo frio que anda chegando cada vez mais com força ou porque me mudei recentemente e estou na fase de curtir a casa nova, mas cada vez mais eu amo ficar na paz do meu lar. Com isso, além de colocar as minhas tarefas em dia, procuro me divertir vendo séries. Como eu adoro compartilhar coisas da minha vida com vocês, vou indicar duas séries e um programa de TV que pre-ci-sam ser espalhados pelo mundo.

1. Girl Boss

Girl Boss é uma série do Netflix que saiu do forno recentemente, em 21 de abril, inspirada no best seller de Sophia Amoruso e contém 13 episódios. A série fala justamente sobre a vida de Sophia. Mas, primeiro, quem é ela? Minhas queridas leitoras, ela é ninguém mais ninguém menos que a criadora da Nasty Gal (e-commerce de roupas e acessórios conhecido mundialmente).

Os episódios mostram Sophia do lixo ao luxo. Tudo aconteceu após ela ser despedida do emprego, receber um aviso de despejo e encontrar uma peça em um brechó que a faz ter a melhor ideia que ela já teve na vida. Após isso, a girl power cria a Nasty Gal, um comércio de roupas que surgiu com uma simples conta no e-Bay, se tornou loja online e ganhou até espaço físico em Los Angeles.

Vale destacar que a série é um releitura beeeem livre, como aparece no aviso do Netflix, no início de cada episódio.


O que mais me fez gostar da série foi o fato de toda a história se passar em San Francisco. Os episódios mostram muito bem a cidade e em alguns momentos me fez chorar, sorrir e morrer de saudade do lugar que morei por um mês, em julho do ano passado. 

No primeiro episódio já podemos ver o famoso bondinho - cable car - e as ladeiras de San Fran. Mas se você quer mesmo conhecer a cidade, fique de olho no episódio 3, que mostra vááários pontos turísticos como Chinatown, Castro, as paredes grafitadas de Mission e a famosa padaria Boudin, localizada no Pier 39. Já no quarto episódio, ela atravessa a linda e enorme Golden Gate Bridge.


Tenho que confessar que não sou muita fã da personagem principal, não da atriz nem nada, mas da personalidade da personagem mesmo. Ela meio que passa por cima da pessoas. Não, na verdade, não liga pras pessoas, só pensa em si. Mas não que ela seja uma má pessoa nem nada, só me irrita um pouco. A série é bem típica americana, com um humorzinho ácido. É perfeita para dar boas risadas e não levar tudo tão a sério.

Os episódios têm cerca de 30 minutos e dá pra maratonar em um final de semana. Go girrrl!

2. Lady Night

Se vocês querem rir até a barriga doer, assistam ao Lady Night. S-É-R-I-O! 

O programa é um talk show comandado pela humorista Tatá Werneck, no Multishow. Essa informação é suficiente para você imaginar quão divertido é, né?

O cenário lembra o Programa do Jô, mas basta assistir por alguns minutos para perceber que não tem absolutamente nada a ver. A apresentadora alterna perguntas com quadros engraçados que tem relação com a vida dos convidados.


Um dos quadros fixos do programa é o "Entrevista com especialista", no qual Tatá faz perguntas bizarras a especialistas (de verdade!) em algum assunto. Recentemente, o jornal O Estado de São Paulo reuniu em um post as perguntas mais absurdas que ela já fez

"A OAB usa OB?" - Pergunta feita ao advogado Ricardo Brajtermann
"Quando alguém manda uma pessoa para a puta que o pariu, o senhor faz um orçamento?" -  Pergunta feita ao agente de turismo Gilberto Bocchino de Almeida
"Pessoas que depilaram demais e ficaram com poucos pelos na vagina, como eu. Eu exagerei. Eu estou arrependida. Eu estou com pouquíssimo pelo, a manteiga desce reto. Existem doadores disponíveis no mercado capilar para que esses capilares se tornem pelos vaginianos?" - Pergunta feita ao especialista em implante capilar Jório Santana Mulheres
"Se um ET se machuca, ele passa em Mercúrio?" - Pergunta feita ao ufólogo Wagner Vital

Ao meu ver, o mais engraçado é o jeito da Tatá. Ela elabora perguntas geniais e é capaz de fazê-las com humor, só que com uma expressão séria. Ela é tão natural que faz uma piada no meio de um diálogo e só percebemos alguns segundos depois. 

Convidados como Bruna Marquezine, Anitta, Marcos e Belutti, Tiago Iorc, Catra, Sandy e até o Padre Fabio de Melo já passaram pelo programa. Separei alguns trechos dos episódios que achei mais engraçados. Dá uma olhada:



Você pode assistir ao programa no Multishow (de segunda a sexta, às 22h30) ou no NOW. 


3. 13 Reasons Why

Talvez boa parte dos leitores já conhecem e/ou já viram 13 Reasons Why. Talvez até esteja tarde para falar da série, mas sinto que não devo deixar ela de fora dessa lista, por mais que as duas indicações anteriores falem de séries/programas engraçados. 

Uma explicação rápida sobre a série: O drama é inspirado no livro escrito por Jay Asher e aborda temas como bullying suicídio. A série conta a história da adolescente Hannah Baker que tirou a própria vida aos 17 anos. Antes cometer o suicídio, Hannah gravou fitas K7 com 13 motivos que a levaram tomar a grande decisão, nas fitas ela detalha o sofrimento que passou diante das situações que viveu na escola. Cada motivo, na verdade, é uma pessoa. Cada pessoa recebe uma caixa com as fitas e tem a tarefa de ouvir todas elas e, em seguida, passar para o próximo da lista. Caso alguém interrompa o ciclo, uma pessoa de confiança de Hannah que tem a cópia das gravações tornará o conteúdo delas público.

A série serve como alerta para darmos mais atenção aos efeitos que as palavras têm e as consequências de emoções quando subestimadas. Boatos espalhados pela escola, fotos mal intencionadas, humilhações constantes na frente da turma, situações que foram acumuladas e levaram Hannah a pôr fim à vida são fatos que muitas vezes não são interpretados como sinais de que algo está errado e são vistos como algo "normal" da adolescência. A série mostra que não foram apenas os agressores que contribuíram para a tragédia, mas também as pessoas que apenas assistiam às situações e não faziam nada para ajudar, como o caso do personagem Clay, interpretado por Dylan Minnette.


A série é produzida pela cantora Selena Gomez e ontem ela anunciou no Instagram que haverá uma segunda temporada. YAAAAAY!

Vale destacar que a censura é 16 anos pelo conteúdo apresentado na série e por conter cenas fortes.


Quais das indicações vocês já assistiram? Quais vocês estão loucos para ver? Me contem nos comentários! :)

Beijo!

0 comentários:

Postar um comentário

 
ana lu fernandes - 2016 // voltar para o topo // design + código gbml